Entrar

Esse conteúdo é exclusivo para assinantes do programa.

Função renal do RECÉM-NASCIDO PRÉ-TERMO em longo prazo

Maria Cristina de Andrade

Ana Paula Brecheret

epub-BR-PRORN-C19V1_Artigo1

Objetivos

Ao final da leitura deste capítulo, o leitor será capaz de

 

 

  • reconhecer os fatores de risco e as complicações renais em curto prazo (hipertensão arterial sistêmica [HAS] e lesão renal aguda [LRA]);
  • descrever os fatores de risco e as complicações renais em longo prazo;
  • identificar os recém-nascidos (RNs) de risco, de forma a possibilitar o acompanhamento adequado e o momento do encaminhamento para o nefrologista pediátrico.

Esquema conceitual

Introdução

As complicações renais do recém-nascido pré-termo (RNPT) podem ser divididas em complicações de curto e longo prazos. Esses pacientes correm o risco de desenvolver complicações em curto prazo resultantes da imaturidade anatômica ou funcional, que são mais frequentes com a diminuição da idade gestacional (IG) e do peso ao nascer (PN). As complicações em curto prazo são, principalmente, a HAS e a LRA.

As melhorias no cuidado intensivo neonatal e a implementação de terapias, como glicocorticoides pré-natais e reposição de surfactante levaram a uma maior sobrevida dos RNPTs. No entanto, apesar disso, a morbidade, em longo prazo, permanece alta, trazendo grandes desafios no acompanhamento desses pacientes durante a infância e a vida adulta.

A LRA pode causar lesão renal irreversível e diminuição da função renal. Acredita-se que exista predisposição a episódios adicionais de LRA e doença renal crônica (DRC), que podem se manifestar no final da infância ou na idade adulta.

O acompanhamento das crianças nascidas pré-termo deve incluir avaliação da função renal, que se baseia na dosagem de creatinina sérica, no exame de urina (urina I e relação proteína/creatinina na urina ou microalbuminúria), medida da pressão arterial (PA) e ultrassom de rins e vias urinárias. Visando retardar a progressão da DRC, é importante, também, nesse acompanhamento, evitar o uso de medicamentos nefrotóxicos, como anti-inflamatórios não hormonais (AINHs), e a sobrecarga proteica.