Entrar

Atenção domiciliar em período de Covid-19

Natalia Dias de Almeida Costa

Leonardo Cançado Monteiro Savassi

epub-BR-PROMEF-C18V3_Artigo2

Objetivos

Ao final da leitura deste capítulo, o leitor será capaz de

  • revisar as ações da atenção domiciliar (AD) nos seus três níveis em caso de COVID-19;
  • avaliar o papel da atenção primária à saúde (APS) no cuidado domiciliar em caso de COVID-19;
  • realizar a coordenação do cuidado às pessoas com síndromes pós-COVID-19;
  • utilizar as etapas de paramentação e desparamentação seguras no domicílio;
  • descrever os possíveis instrumentos de avaliação da limitação de funcionalidade.

Esquema conceitual

Introdução

Em dezembro de 2019, na cidade Wuhan, na República Popular da China, foi registrada pela primeira vez a doença do coronavírus 2019, mais conhecida como COVID-19, causada pelo vírus SARS-CoV-2, tendo se espalhado rapidamente pelo mundo, até que, em março de 2020, foi declarado o caráter pandêmico da doença.1 Um alerta mundial foi emitido sobre a rápida propagação da doença e, diante desse cenário, o Ministério da Saúde (MS) declarou emergência de saúde pública de importância nacional em decorrência da infecção humana pelo novo coronavírus.2

O MS recebeu a primeira notificação de um caso confirmado de COVID-19 no Brasil em 26 de fevereiro de 2020. Os dados diários informados pelas secretarias estaduais de saúde ao MS apontam que, de 26 de fevereiro de 2020 até a semana epidemiológica na qual a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o fim da emergência em saúde pública, foram confirmados 37.449.418 casos e 701.494 óbitos por COVID-19 no Brasil.3

Uma avaliação abrangente do excesso de mortalidade devido à COVID-19, por meio de um algoritmo de machine-learning com uma vasta lista de covariáveis para produzir estimativas de excesso de mortalidade em 187 países, levou a uma estimativa global de 18,0 milhões (intervalo de confiança de 95%: 12,9 a 21,0) de excesso de mortalidade relacionada à COVID-19 no período de 1º de janeiro de 2020 a 27 de dezembro de 2021.4

Já segundo a OMS, o excesso de mortalidade, ou seja, número total de mortos associado direta ou indiretamente à pandemia de COVID-19 entre 1º de janeiro de 2020 e 31 de dezembro de 2021, foi de aproximadamente 14,9 milhões (intervalo de confiança de 95%: 13,3 milhões a 16,6 milhões).5

O excesso de mortalidade é calculado como a diferença entre o número de mortes que ocorreram e o número que seria esperado na ausência da pandemia com base em dados de anos anteriores. Inclui mortes diretas ou indiretamente associadas à COVID-19, pelo impacto da pandemia nos sistemas de saúde e na sociedade.5

Passados mais de três anos desde o início da pandemia, o atendimento de pessoas suspeitas ou confirmadas com infecção pelo SARS-CoV-2, o acompanhamento de quadro de COVID-19 longa e as amplas campanhas de vacinação ainda somam um grande número, o que exige diariamente dos profissionais de saúde a dedicação e uma jornada de trabalho extensa e exaustiva.6

A estratégia de vacinação — apesar do aumento no número de casos de COVID-19 no início de 2022, devido à disseminação da variante ômicron — promoveu uma redução considerável da letalidade da doença até o momento.6

A COVID-19 tem imposto imensos desafios para os sistemas de saúde de diversos países em todo o mundo, à medida que se propaga. O potencial de contágio, as características de sua evolução e o grau de complexidade de cuidados em saúde que pode requerer são alguns desses desafios.7

Algumas medidas de contenção e mitigação da pandemia foram adotadas a partir da observação do curso da doença e das formas de transmissão, como distanciamento físico, testagem massiva (apesar da dificuldade em se conseguir kits em quantitativo suficiente) e em familiares de contatos, isolamento de casos, minimização da circulação de pessoas e uso de máscaras, que têm sido amplamente preconizadas com vistas a evitar o crescimento descontrolado de casos e o colapso dos sistemas e serviços de saúde.7

A vacinação contra a COVID-19 iniciou em 8 de dezembro de 2020 no Reino Unido,8 apenas 11 meses após a notificação do primeiro caso. O Brasil iniciou a sua campanha de vacinação na segunda quinzena de janeiro de 2021.9 Antes da vacinação, cerca de 80% dos casos de COVID-19 evoluíam com quadros leves ou mesmo eram assintomáticos, e 20% apresentavam quadro moderado ou grave.8

A COVID-19 trouxe elevada demanda por cuidados de saúde nos diferentes níveis de atenção, com destaque para o volume de atendimentos de sintomáticos respiratórios na APS e nos serviços de urgência. Embora, após o período vacinal, a demanda por atendimento tenha reduzido, e a mortalidade tenha caído drasticamente, persistiu a necessidade de atendimento diferenciado ao menos por dois anos, com variações em números de casos de acordo com a cepa viral.

Tendo em vista que a demanda regular dos serviços de saúde nos diferentes níveis de atenção em condições normais comumente já enfrenta gargalos nos sistemas de saúde, a rápida disseminação da doença e o elevado índice de transmissibilidade do SARS-CoV-2 geraram ainda mais preocupação pela exposição dos profissionais da saúde e pelo risco de infecção de pessoas com outras condições de saúde que utilizam os serviços de saúde.

Este programa de atualização não está mais disponível para ser adquirido.
Já tem uma conta? Faça login