Entrar

Esse conteúdo é exclusivo para assinantes do programa.

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM PNEUMOTÓRAX E HEMOTÓRAX

Autores: Raul Luiz de Souza Cavalcanti, Raphael Pessoa de Oliveira, Evelin Freitas Cardoso, Genair de Oliveira Ferreira , Waleska Ferreira Ramalho de Almeida , Mariana Ataíde Marujo, Iris Pessoa de Oliveira, Thais Faggioni
epub-BR-PROENF-TI-C7V4_Artigo

Objetivos

Ao final da leitura deste capítulo, o leitor será capaz de

 

  • reconhecer a caixa torácica como um recurso fisiológico importante para proteção dos órgãos vitais e vasos sanguíneos de grande calibre;
  • explicar a etiologia e a fisiopatologia do pneumotórax e do hemotórax;
  • identificar o papel da enfermagem diante de pacientes com pneumotórax e/ou hemotórax em ambientes pré-hospitalares e hospitalares, unidades de terapia intensiva (UTIs) e centros de terapia intensiva (CTIs);
  • listar os dispositivos mais usuais no procedimento de drenagem torácica;
  • conhecer o manejo do dreno torácico para prestar assistência adequada ao paciente internado na UTI;
  • inferir o papel do enfermeiro como gestor da assistência holística ao paciente internado na UTI.

Esquema conceitual

Introdução

O tórax humano, por causa das suas características anatômicas, é uma espécie de caixa que acomoda e protege diversos órgãos vitais e vasos sanguíneos de grande calibre. Portanto, qualquer condição patológica, traumática ou não, que comprometa o espaço torácico pode prejudicar o funcionamento de algum órgão importante à manutenção da vida, exigindo intervenção imediata para reestabelecer a condição ideal da região como um todo. Duas condições, especialmente, se não tratadas adequadamente, podem levar à morte: pneumotórax e hemotórax.

O pneumotórax é caracterizado pela presença de ar na cavidade torácica, enquanto o hemotórax é causado pela presença de sangue. O diagnóstico de ambas as condições se dá por exame físico associado à história clínica e complementado por exames de imagem (a radiografia é a primeira escolha). Uma vez diagnosticadas tais condições e avaliada a gravidade da lesão, o médico assistente decide se manterá o paciente sob observação clínico-radiológica ou realizará o procedimento de drenagem torácica.

Na terapia intensiva, a drenagem torácica é um procedimento extremamente valioso para diagnóstico e tratamento de várias doenças pleurais, como pneumotórax, hemotórax e derrame pleural, e pode ser usada como medida preventiva. Essa técnica cirúrgica requer a colocação de tubos após rigorosa preparação da pele e curativo da ferida cirúrgica.

É essencial monitorar constantemente o líquido ou gás drenado da cavidade pleural para evitar complicações como infecções. Dada a complexidade do procedimento, é necessária equipe multidisciplinar composta por médicos e enfermeiros com sólido conhecimento técnico-científico e habilidade para tomar decisões imediatas. Portanto, a equipe de enfermagem enfrenta diversos desafios antes, durante e após a cirurgia de drenagem torácica.

Os cuidados incluem desde orientação e fornecimento de informações ao paciente e seus familiares até auxílio médico durante a inserção do tubo, a realização de curativos pós-cirúrgicos, o controle do material drenado e a avaliação clínica do indivíduo. Para desempenhar efetivamente essas tarefas, a equipe de enfermagem precisa se manter constantemente atualizada e capacitada, especialmente em relação a novas técnicas, materiais e avanços científicos, buscando o aprimoramento dos cuidados oferecidos aos pacientes submetidos ao procedimento de drenagem torácica.

×