Entrar

Esse conteúdo é exclusivo para assinantes do programa.

DESENVOLVIMENTO DE HABILIDADES SOCIAIS DE ADOLESCENTES NA PRÁTICA CLÍNICA

Melyssa Kellyane Cavalcanti Galdino

Shirley de Souza Silva Simeão

epub-PROCOGNITIVA-C10V2_Artigo2

Objetivos

Ao final da leitura deste artigo, o leitor será capaz de

  • identificar aspectos conceituais envolvidos no campo das habilidades sociais (HS);
  • reconhecer a importância do desenvolvimento de HS na adolescência;
  • conhecer elementos envolvidos no planejamento e na estruturação do desenvolvimento de HS na prática clínica.

Esquema conceitual

Introdução

As HS correspondem à descrição do conjunto de comportamentos sociais considerados desejáveis e aceitos em uma dada cultura e que podem contribuir para um desempenho socialmente competente ao cumprir uma tarefa interpessoal. Um desempenho é considerado socialmente competente de acordo com o repertório de HS apresentado e a articulação desse repertório, de forma coerente, com componentes cognitivos, afetivos e comportamentais associados ao desempenho.1

Segundo Del Prette e colaboradores,2 na adolescência, é requerida a ampliação do repertório de relações interpessoais de forma a atender as exigências próprias da fase, que exige do jovem maior envolvimento em relacionamentos/situações de risco e, consequentemente, maior complexidade na resposta às demandas do ambiente. Assim, cada vez mais, têm-se percebido na literatura propostas/modelos de intervenção voltados para o desenvolvimento de HS entre adolescentes, principalmente pela relação do referido construto com indicadores de saúde mental, desempenho escolar, promoção de saúde e melhoria nas relações interpessoais.

As HS se apresentam como importante fator de proteção e promoção de saúde na adolescência, ao serem utilizadas como estratégia para o manejo de conflitos interpessoais, de dificuldades emocionais e de problemas de comportamento. Dessa forma, o desenvolvimento das HS é considerado crucial, tendo em vista que um baixo repertório das referidas habilidades é apontado como fator de risco para dificuldades nos relacionamentos interpessoais e de vulnerabilidade para o desenvolvimento de transtornos psicológicos na adolescência.3,4