Entrar

FARMACOVIGILÂNCIA NA PRÁTICA CLÍNICA

ISABELA HEINECK

ALINE LINS CAMARGO

DIEGO GNATTA

epub-BR-PROFARMA-C3V1_Artigo3
  • Introdução

O medicamento é o principal recurso terapêutico. Por outro lado, frequentemente contribui para o desenvolvimento de morbidades, em parte devido ao mau uso. Estudos realizados em diversos países listam as reações adversas graves entre as principais causas de morte.1

A maior parte das reações adversas é dose-dependente e, portanto, evitável.1 Os erros de medicação, por sua vez, são a principal causa de danos evitáveis nos sistemas de saúde em todo o mundo e, globalmente, geram um gasto anual estimado de 42 bilhões de dólares. Países de baixa renda, como o Brasil, sofrem duas vezes mais eventos adversos relacionados a medicamentos do que países de renda elevada.2

Profissionais e instituições de saúde costumam reconhecer o potencial dos medicamentos para gerar dano, no entanto, ainda é tímida a atuação no sentido de prevenir e corrigir problemas relacionados à farmacoterapia, principalmente na atenção primária.3

A incorporação de atividades voltadas para o uso racional dos medicamentos e de farmacovigilância na rotina do farmacêutico é fundamental para a mudança desse cenário. É importante que o profissional conheça os métodos de farmacovigilância, saiba quais informações são necessárias para a avaliação de suspeitas de reações e eventos adversos e, principalmente, conheça as diversas estratégias possíveis de serem aplicadas em pacientes e situações de risco para prevenir morbidades relacionadas a medicamentos.

Neste capítulo, serão apresentados métodos, ferramentas e fontes de informação disponíveis para uma atuação mais efetiva, visando ao uso seguro de medicamentos.

  • Objetivos

Ao final da leitura deste capítulo, o leitor será capaz de

 

  • estabelecer a relação entre farmacovigilância e segurança do paciente;
  • analisar o objetivo, os conceitos e os alvos relacionados à farmacovigilância;
  • considerar o processo para estabelecimento de causalidade de reações adversas e erros de medicação;
  • examinar os métodos de farmacovigilância e as estratégias para promoção do uso seguro e racional de medicamentos em diferentes contextos.
  • Esquema conceitual
Cadastre-se para ler o artigo completo
Já tem uma conta? Faça login