Entrar

TRANSTORNO DISMÓRFICO CORPORAL E IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA DO NUTRICIONISTA

JÚNIA HELENA PORTO BARBOSA

IGOR GALVÃO DE ALMEIDA MARQUES

MAYRA WANDESSA FERREIRA INACIO

epub-BR-PRONUTRI-C10V1_Artigo4

Objetivos

Ao final da leitura deste capítulo, o leitor será capaz de

  • descrever os principais conceitos e critérios diagnósticos relacionados com o transtorno dismórfico corporal (em inglês, body dysmorphic disorder [TDC]);
  • reconhecer a prevalência e os fatores já identificados como predisponentes de TDC;
  • identificar as principais semelhanças e diferenças nos critérios diagnósticos entre TDC e outros comprometimentos psicológicos;
  • discutir as habilidades e competências necessárias ao nutricionista na prevenção, na identificação e no tratamento do TDC.

Esquema coceitual

Introdução

A busca pela melhora da imagem corporal é uma motivação constante de pacientes que procuram o nutricionista, por isso é essencial a identificação de comportamentos disfuncionais que possam colocar em risco o sucesso do cuidado nutricional e, em última análise, a saúde do paciente.1

Na rotina dos consultórios e no cotidiano, é comum perceber indivíduos que apresentam sentimento de inferioridade relacionado à aparência, revelando inúmeras e frustradas dietas, cirurgias plásticas frequentes e uma série de procedimentos de caráter estético.

Nesse contexto, o grande desafio do nutricionista é distinguir autocuidado de comportamento disfuncional. Em outros termos, quando é diferente das atitudes espontaneamente adotadas pela maioria de uma população que vive em determinado ambiente socioeconômico e cultural, causando consequências nocivas para a saúde.2

Apesar da gravidade, o TDC tem recebido pouca atenção dos profissionais de saúde quando comparado a outras alterações de comportamento, como o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), a depressão ou mesmo os transtornos alimentares (TAs), como bulimia, anorexia, ortorexia e compulsão alimentar.1 Apesar disso, crescentes esforços têm sido empregados na compreensão da etiologia, sintomatologia e do tratamento dessa condição.

Cadastre-se para ler o artigo completo
Já tem uma conta? Faça login